O Diário de Nisha (Veera Hiranandani)


Desde que eu, há muitos anos atrás, li o meu primeiro livro de verdade, tive plena consciência de que aquela história me mudou de alguma forma. Mesmo que para outras pessoas ela parecesse bobinha, a partir do momento que eu fechei a última página tentei extrair o máximo de ensinamentos possíveis. Com o tempo eu fui relaxando, confesso (hehe), pois existem história que simplesmente eu leio para me divertir. Mas mesmo essas que não me causam grandes epifanias ou são muito memoráveis para mim, eu tento lembrar que podem ter o poder de transformar a vida de alguém. Livros mudam as pessoas. E hoje eu vou falar de um livro que, assim como diz em sua contracapa, é capaz de abrir corações.


Palavras certas abrem corações. Gestos de amor, novos mundos. Nisha é uma menina muito tímida que vive na Índia junto com seu irmão gêmeo, seu pai, sua avó e Kazi, o cozinheiro da família. Ela, até o momento em que começa seu diário, vivia feliz, mesmo com sua timidez e a aparente frieza do pai. Mas as tensões religiosas causadas pela Partição da Índia - que se tornou dois países: Índia (de maioria hindu) e Paquistão (de maioria muçulmana) (saiba mais aqui) - obriga ela e sua família a procurarem um novo lar.

Nisha relata toda sua jornada desde o começo em seu diário, que é como um compilado de cartas para sua falecida mão. "Querida mamãe", é assim que ela sempre começa escrevendo. E apesar de todas as coisas horríveis, todas as dores que esse livro carrega, ele trás esperança e quer consciencizar os leitores, pois, por mais que não seja num cenário semelhante à Partição da Índia, todos os dias em diversos lugares do mundo pessoas são levadas pelo medo a deixar suas casas e tudo que conhecem em busca de novos lugares para viver. Eu repito o que disse na resenha de Refugiados - A última Fronteira: não são números, são pessoas!

É de cortar o coração ler tudo que Nisha escreve. Como eu disse anteriormente, ela é muito tímida, e  o fato de ter de lidar com essas mudanças forçadas e terríveis sendo ainda uma criança inocente só torna seu relato ainda mais emocionante. Muitas vezes ela se questiona o porquê de ter de deixar sua casa e tudo que conhece apenas por ter uma religião diferente.

Às vezes penso sobre por que estamos vivos, quando tantos outros morreram por nenhum motivo fazendo a mesma caminhada, atravessando a mesma fronteira. Todo aquele sofrimento, toda aquela morte, por nada. Nunca entenderei, enquanto viver, como um país pode mudar tanto da noite para o dia a partir de uma única linha divisória.
Apesar de todos os temas pesados, o livro não deixa de ser menos especial. A autora se baseou em histórias de sua própria família para criar a jornada de Nisha que é, mesmo sendo sofrida, de autodescoberta. É uma história preciosa justamente por conseguir mesclar o desespero com a esperança. A gente vai descobrindo junto com a Nisha que, por mais que as coisas estejam muito ruins, ainda há pessoas pelo qual vale a pena continuar vivo. Que o simples ato de falar pode ser grandioso. Eu fico com os olhos cheio de lágrimas só de lembrar do quanto me senti tocada por O Diário de Nisha. É triste e é doce ao mesmo tempo. É uma história que eu recomendaria para todas as pessoas. 


Preciso ressaltar mais duas coisas sobre o livro. A primeira é que existem muitos elementos da cultura indiana presentes, em especial a culinária. Em vários momentos enquanto lia eu ficava pesquisando imagens dos pratos citados, e até fiquei com vontade de ir até meu pai (que é cozinheiro hihi) para testar os dotes dele na culinária indiana. É tão legal isso! Um dos únicos livros além desse que se passa n Índia que eu me lembro de ter lido foi A Inesperada Herança do Inspetor Chopra, e me recordo de ter ficado fascinada, pois é cultura completamente diferente da nossa (e do padrão norte-americano a qual estamos acostumados).

A segunda coisa é que esse livro está lindo graficamente falando. No dia que eu levei ele para ler na faculdade várias pessoas pediram para olhar e o elogiaram. A DarkSide Books fez um trabalho maravilhoso! Acho que o detalhe que mais amei foram as flores e os passarinhos no corte de página, além do "fecho" que remete a um diário.


a playlist linda que a editora fez para o livro ♡


Foi uma das melhores leituras de 2019! No final eu fiquei desejando que tivesse mais páginas para que eu pudesse ficar um pouquinho mais com a Nisha. Na verdade, em vários momentos eu queria entrar na história para poder abraçar a Nisha e dizer que ficaria tudo bem.

Espero que a resenha tenha deixado pelo menos alguma pessoa curiosa. Vocês podem comprá-lo aqui.

30 comentários :

  1. A começar essa edição está maravilhosa!!
    Eu já imaginava uma leitura linda e agora vejo que vai ser muito emocionante. Está nas leituras ainda desse ano, mas agora preciso passar na frente.
    Amei a resenha!

    bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenho certeza que vai encerrar seu ano literário maravilhosamente bem com esse livro *-* que bom que gostou da resenha!

      Excluir
  2. Espero estar lendo essa obra em breve, pois nesses diários sempre há muita emoção e sentimentos. Espero não ficar muito sensibilizado e cair em ressaca literária por mexer demais comigo. Parabéns pela resenha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, querido. Depois me conta o que achou do livro!

      Excluir
  3. Que capa linda e que história incrível! Sobre a culinária: Eu mesma já estaria maluca e falida procurando e testando as receitas hahaha

    ResponderExcluir
  4. Na minha cabeça foi quase automático associar esse livro com O Diário de Anne Frank. Que, aliás, falando em livros memoráveis, O Diário da Anne Frank foi um dos mais marcantes para mim. Então, claro que fiquei interessada nessa história e o livro é realmente lindo. E acho que por abordar pontos da cultura indiana é um atrativo a mais. E amei as fotos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu preciso ler O Diário de Anne Frank! Vou tentar conseguir uma edição só minha (de preferência aquelas de capa dura)

      Excluir
  5. Pelo nome não me interessei, mas lendo a resenha e já quero ler esse livro! Parece ser aquele livros que a leitura flui e quando acaba você fica pensando "já acabou?" haha Vou tentar ler. <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O nome pode soar um tanto genérico, mas descreve a história perfeitamente, pois na maioria das situações a Nisha só consegue se expressar por meio da escrita!

      Excluir
  6. Em minha experiência como leitora também tenho livros que me mudaram de alguma forma e trouxeram epifanias e outros que foram só uma forma de lazer. Inclusive tô com saudade de fazer uma leitura transformadora, os últimos livros que li não me proporcionaram isso... Eu curti muito a premissa desse, e essa capa é muito maravilhosa! O teu post me fez colocar ele na wishlist <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. As minhas últimas leituras foram incríveis. Esse ano eu não li tanto, mas tudo (ou a maioria) do que li foi maravilhoso e me marcou de alguma forma <3

      Excluir
  7. Me interessei pela história, até fiquei curiosa para saber o que ela passou. sinto que é aquele tipo de livro que faz voce amadurecer. Inspirador. Sinceramente? a Dark Side, não decepciona nas suas adaptações.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A Caveira só tem livro maravilhoso <3 espero que consiga ler algum dia!

      Excluir
  8. Menina, eu tô loka pra ler "O Diário de Nisha"! Gosto dessas leituras de diários na literatura. Li o de Anne Frank e acabei de ler o de Myriam, que confesso não ter me Bjscativado tanto. Esse pedi em um dos amigos secretos que estou participando. Vamos ver! Doida para fazer um comparativo com os três!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu gostei de O Diário de Myriam, achei que mostrou de uma forma triste e esperançosa todo o conflito no Oriente Médio. Algum dia ainda quero ler o da Anne Frank :)

      Excluir
  9. Enquanto eu lia sua ótima resenha me peguei pensando, estimulado por algumas das frases, em como quase sempre, oprimir o que pensa diferente acaba mal. "Palavras certas abrem corações. Gestos de amor, novos mundos." ... esse tipo de frase nos obriga a rever conceitos, pensar e sentir coisas nem sempre cômodas, mas necessárias. Adorei as fotos e dica anotada :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse livro tem reflexões lindas, especialmente no que diz respeito a buscar o nosso lugar no mundo <3

      Excluir
  10. Apaixonada por cada foto!
    De fato, a DarkSide fez um lindíssimo trabalho no trabalho gráfico desse livro.
    Esse livro me parece ser daqueles que trazem bastante reflexão por causa dos temas pesados e cultura diferente.
    Tenho muito interesse em ler.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  11. Nossa, fiquei emocionada com a sinopse, me lembrou muito O Diário de Anne Frank, acredito que deva ser uma leitura super tocante. A história se passar na Índia me chamou a atenção, gosto muito de conhecer novas culturas e a literatura pode nos proporcionar esse conhecimento. A capa é linda e as fotos ficaram um encanto!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ainda quero ler Anne Frank, tenho certeza que eu ia amar <3

      Excluir
  12. Me encantei com as fotografias que você tirou do livro. Sabe, eu acho que nunca li um livro que se passa na Índia e fiquei extremamente cativada com sua resenha, parece um livro muito lindo. Eu gosto de histórias que contam um pouco da realidade de outros povos, acho que isso abre nossos olhos para pensar um tanto fora da caixinha, porque às vezes nos esquecemos que existe um mundo lá fora com pessoas iguais a nós que vivem outras realidades, muitas vezes mais duras do que a nossa. Isso me faz lembrar de agradecer a sorte, que em muitos dias penso que nem existe mas em outros me lembro que sim, como depois de ler a sua resenha e refletir sobre isso.
    Se eu conseguir a oportunidade com certeza lerei O diário de Nisha, quero conhecê-la e saber sua história.

    Abacate Tati

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De fato, mesmo com tudo que já aconteceu no nosso país, a gente é muito privilegiado tendo em vista todas as coisas ruins que acontecem em diversos lugares no mundo hoje em dia!

      Excluir
  13. Li esse livro para o clube de livros da Dark que acontece aqui em SP, amei a história...Faz agente levantar os olhos e olhar para o outro..
    Abraços

    ResponderExcluir
  14. Normalmente fico só na parte de Crime Scene da darkside, mas vc me deixou muito interessada para ler esse. Eu amo conhecer culturas diferentes, creio que vai ser uma experiencia incrível. Parabéns pela resenha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Crime Scene é maravilhoso, mas os outros selos são ótimos também <3

      Excluir
  15. Ai, Lu...
    Quando você falou que ela escreve no diário para a "Querida mamãe" eu já comecei a chorar daqui... Que facada no coração, que loucura saber que esses conflitos acontecem na vida real pra impactar vidas reais, que mundo doido esse onde a gente mora! Ainda tô meio impactada pela sua resenha e querendo muito conhecer essa história pra me tirar o chão e fazer carinho no coração ao mesmo tempo.
    Obrigada pela indicação!

    E, como sempre, preciso comentar a estrutura física dele, né... A formação como restauradora (de livros!) torna isso impossível de passar batido... As folhas de guarda, que primor, e esse CORTE DE PÁGINA! Puts, coisa mais linda da vida!

    ps.: como Dirk tá grande!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Luly, eu tenho certeza que você iria amar e se emocionar com essa história. Espero que a resenha tenha te deixado com mita vontade de ler <3

      Excluir

Recadinho: clique em "notifique-me" para descobrir qual foi minha resposta ao seu comentário, e para que possamos conversar melhor ;)